Em alta:
Perfil no Facebook Perfil no Instagram Perfil no Twitter Perfil no Youtube

Em Portugal, projeto busca transformar Sintra em Cidade Educadora

Publicado dia 29 de setembro de 2017

Abrigando um imenso patrimônio histórico e natural, a vila de Sintra (em Portugal) é hoje o foco da Novo Encanto, organização social portuguesa que desenvolve trabalhos orientados para o convívio harmônico entre pessoas, patrimônio e natureza. Fundada em 2013, a organização se prepara para mergulhar no mundo da educação e da cultura com o projeto Ver de Novo Sintra, que busca promover o desenvolvimento local e integrar a população de toda a região com seu patrimônio, almejando uma Cidade Educadora

A brasileira Nadia Helena é parte importante dessa história. No Brasil, ela foi uma das coordenadoras da Rede Juntos Pela Educação Integral, iniciativa que apoiou o município de Maranguape (Ceará) em sua incursão rumo a uma Cidade Educadora. Agora, morando e estudando em Portugal, ela compartilha a experiência dos projetos de Educação Integral realizados em Maranguape para a vila de Sintra e suas comunidades anexas.

O Ver de Novo Sintra pretende, através de uma abordagem intercultural com as escolas locais, explorar temas como educação, cultura e meio ambiente sob a perspectiva dos Territórios Educativos e ambicionando uma Cidade Educadora. A metodologia ainda está em desenvolvimento e a meta é implementá-la no segundo semestre de 2018.

A 15ª edição do Congresso Internacional de Cidades Educadoras acontece em Cascais, em Portugal, de 13 a 16 de novembro de 2018 com o tema “A Cidade Pertence às pessoas”, e propõe o debate sobre a coesão social na cidade a partir das pessoas e do sentimento de pertencimento a ela. Saiba mais aqui.

Em um primeiro momento, a ideia é trabalhar diretamente com as famílias dos estudantes, educadores e parceiros. “Com os professores, pretendemos trabalhar na linha do que foi feito em Maranguape, abordando como é possível mudar a proposta pedagógica mediante a facilitação de aprendizagem no espaço da escola. É quando pretendemos olhar para a educação patrimonial. O resultado disso deve ser também o primeiro acervo do Ecomuseu local”, explica a brasileira.

O Ecomuseu foi uma das principais estratégias em Maranguape e, por isso, é tão ambicionado na região, conhecida como Junta de Freguesia de Colares. Nadia acredita que a forte cultura de Cidades Educadoras em Portugal e a maior familiaridade com o conceito de Ecomuseu podem facilitar esse processo.

Já com as famílias e com atenção especial aos idosos, as atividades do Ver de Novo Sintra vão perpassar as áreas de saúde e bem-estar, como yoga, acupuntura e Tai-Chi Chuan. Essas ações se darão nos diferentes territórios, inicialmente nas localidades (Freguesias) de Colares, Almoçageme e Eugaria, próxima à Sintra. “O grande objetivo é ressignificar, junto com todos os atores locais, os espaços e equipamentos, ver em cada um deles – inclusive os empreendimentos turísticos – a possibilidade das crianças encontrarem situações mais criativas de aprendizagem, interagindo com o território. ”

Câmara Municipal de Sintra, segunda maior cidade portuguesa e sede do projeto Ver de Novo Sintra
Câmara Municipal de Sintra, segunda maior cidade portuguesa e sede do projeto Ver de Novo Sintra

Ecomuseu é um conceito ligado à Nova Museologia, surgida na década de 70. Propõe que os museus não sejam ligados ao objeto e sim aos sujeitos e seus territórios. Tal relação é intermediada pelo patrimônio material e imaterial dos territórios – elementos motores do sentimento de pertença a uma comunidade. Nos Ecomuseus (que podem ter um espaço físico ou não), a comunidade tem participação ativa em sua formulação e  demais atividades. Saiba mais nas experiências de Santa Cruz e Maranguape.

Uma mudança pedagógica

Para que o Ecomuseu saia do papel é preciso mais do que a conexão das escolas com o território. Segundo Nadia, é necessário que as ações sejam intersetoriais e respondam às principais questões locais, como é o caso da migração e da interculturalidade.

“É necessária uma educação que discuta questões que estão parcialmente ocultas, como a escravidão, a imigração e os refugiados. São discussões fortes no país e que ainda não chegaram na maioria das escolas, e os manuais escolares e propostas pedagógicas precisam aprofundar a temática intercultural para assegurar uma cultura de paz e uma sociedade em que a diferença seja vista como algo positivo.”

Maranguape (CE): patrimônio como articulador de uma cidade educadora